Prêmio destaque

Trabalho de aluna de Licenciatura do Campus Pouso Alegre é destaque em ensino de Química em Minas Gerais

Aluna lara apresenta material a orientadora do projeto e professor de didáticaA
aluna Lara Betsa Costa, 6 ° período do Curso de Licenciatura em
Química, conquistou o prêmio de destaque em ensino de Química no Estado
de Minas Gerais, durante o 33° Encontro Regional da Sociedade Brasileira
em Química, realizado entre os dias 22 e 24 de novembro, na
Universidade de Uberaba/MG. Lara é a primeira aluna do IFSULDEMINAS –
Campus Pouso Alegre a conquistar um prêmio na área.

O trabalho “O ensino de eletronegatividade e raio atômico para alunos
surdos” trouxe a proposta de um material didático onde a aluna utilizou
isopor, biscuit e ímãs para associar a diferença de eletronegatividade
com a força de atração dos ímãs de neodímio. “Como eletronegatividade é
uma palavra que não existe no sinalário de libras, os surdos não
conhecem. O intérprete teria que soletrar essa palavra, o que não faria
nenhum sentido para eles”, explicou Lara.

Segundo a licencianda, o material foi testado e aprovado pela turma
de alunos da escola onde faz estágio. “Foi perceptível, nas turmas que o
modelo foi aplicado, como eles entenderam melhor o conceito de
eletronegatividade e raio atômico e não apenas tentaram decorar uma
ordem de tabela periódica”, disse.

O material foi desenvolvido a partir de uma proposta da disciplina de
Didática, ministrada pelo professor Johnny Cesar dos Santos. Os alunos
foram desafiados a desenvolverem uma aula inclusiva com uma metologia
alternativa. “O produto que a Lara apresentou é, de fato, inclusivo. Não
é algo que você coloca o surdo a parte para ensinar. É uma aula dada de
forma comum e todos vão aprender de forma efetiva”.

Importância do prêmio

Para a orientadora do projeto, professora Elgte Elmin Borgs de Paula,
o prêmio de melhor trabalho de ensino em química do Estado de Minas é
um WhatsApp Image 2019 11 24 at 20.40.34reconhecimento
não apenas para a aluna agraciada, mas para os alunos do curso de
Licenciatura em Química e para todo o Campus. “A pesquisa na área de
Ensino de Química aqui no nosso Campus se iniciou há pouco mais de um
ano e este importante prêmio, em tão pouco tempo, é um indicativo de que
estamos no caminho certo. Este reconhecimento enaltece o potencial que
temos, tanto de docentes como de discentes, para seguirmos nessa linha
de pesquisa, a qual é de extrema relevância para o curso de Licenciatura
em Química, integrando pesquisa e ensino em trabalhos de qualidade como
o da Lara”.

“O que vejo de extrema relevância nesse trabalho da Lara é que se o
professor de um aluno surdo planejar as suas aulas vendo que ele precisa
incluir esse aluno, ele vai pensar em algo. Muitas vezes o aluno surdo
não tem o contato direto com o professor que parte do princípio que o
intérprete vai dar conta disso. O material que a Lara desenvolveu mostra
que o professor com o material certo, ainda que não saiba libras, vai
conseguir dar a aula diretamente para um aluno surdo e o intérprete vai
servir somente como suporte linguístico”, disse o professor Johnny que
já atuou como intérprete de Libras.

Para a licencianda que já havia participado de outras edições do
Congresso como ouvinte, participar expondo um trabalho foi muito rico e
possibilitou novas ideias. Ela conta que já estava feliz por ter sido
convidada pela organização do evento para participar das sessões
coordenadas que são reservadas apenas aos trabalhos de grande relevância
para área. Com o prêmio, ela já pensa nas próximas conquistas. “Agora
vamos escrever um artigo sobre esse trabalho para publicar em revista e
dar continuidade com a aplicação em mais escolas, para mais alunos
surdos e, quem sabe, para uma escola bilíngue. Quero que mais pessoas
surdas conheçam o modelo para melhorar e dar continuidade no processo de
patente”.

Assessoria de Comunicação
IFSULDEMINAS – Campus Pouso Alegre